Agência Nacional de Águas

Primeiros aerogeradores eólicos de São Paulo entram em operação
outubro 3, 2017
Litoral paulista terá Plano de Contingência para enfrentar florações de algas | Cetesb
outubro 3, 2017
Exibir tudo

Agência Nacional de Águas


A partir desta terça-feira, 3 de outubro, estará disponível para download gratuito o aplicativo Monitor de Secas tanto na Play Store (para dispositivos Android) quanto na App Store (para dispositivos IOS). Com o novo aplicativo é possível acompanhar a intensidade da seca em todo o Nordeste entre julho de 2014 e agosto de 2017. Com uma escala indicada por diferentes cores, o Monitor de Secas mostra no mapa do Nordeste as regiões que passam por seca fraca, moderada, grave, extrema ou excepcional num determinado mês.

Com o aplicativo Monitor de Secas, o usuário pode comparar dois meses selecionados, ver as regiões que tiveram aumento ou diminuição da intensidade da seca no período selecionado e verificar os percentuais de regiões nordestinas que passam por seca fraca, moderada, grave, extrema, excepcional ou que não passam por seca. A ferramenta também indica se os possíveis impactos sobre os diferentes setores econômicos são de curto e/ou longo prazo. O lançamento do aplicativo acontece na reunião de avaliação do Monitor de Secas nesta terça-feira, 3, na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília.

Durante o encontro também será discutida a inclusão de novos produtos a serem oferecidos pela ferramenta, como a identificação de vulnerabilidades e impactos das secas. Entre outros temas, serão discutidas, ainda, a ampliação territorial do Monitor e a internalização nos estados dos resultados do Monitor de Secas para orientar a tomada de decisão.

Os mapas mostrados pelo Monitor de Secas são validados por técnicos nordestinos e levam em consideração dados de monitoramento hidrometeorológico e os impactos concretos no abastecimento, agricultura e pecuária. Assim é possível apresentar periodicamente o retrato mais recente e fidedigno da seca vivenciada pela população. Com estes dados, tomadores de decisão podem realizar um planejamento coordenado de ações de preparação e resposta às situações de seca, possibilitando uma gestão de recursos hídricos mais eficiente.

Desde 2012 o Nordeste enfrenta uma das mais severas secas já registradas, afetando a disponibilidade hídrica, os usos da água e o meio de vida dos nordestinos. Os volumes dos reservatórios, essenciais para a segurança hídrica na região, diminuíram drasticamente, chegando ao colapso em muitos casos. Com esta combinação de poucas chuvas e disponibilidade de água insuficiente para atender às demandas de partes do Nordeste, partes da região passam por uma crise hídrica sem precedentes, como é o caso das bacias do São Francisco e do Piranhas-Açu.

O Monitor de Secas, que também pode ser acessado pelo site http://monitordesecas.ana.gov.br/  acompanhamento regular e periódico da situação da seca no Nordeste.

Instituições participantes

Além da Agência Nacional de Águas (ANA), participam do Monitor de Secas as seguintes instituições: Agência Executiva de Gestão das Águas (AESA/PB), Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), Empresa de Pesquisa Agropecuária (EMPARN/RN), Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME), Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA/BA), Núcleo Geoambiental da Universidade Estadual do Maranhão (NuGeo/UEMA), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/SE), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/AL), Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/RN), Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão (SEMA/MA), Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAR/PI).

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.