CETESB propõem metas para redução de poluição no Complexo de Tubarão | Cetesb

PROS assumirá ICMBio com nome sem ligação com meio ambiente
maio 24, 2018
FAO recomenda ações para evitar perder um terço da comida no mundo
maio 25, 2018
Exibir tudo

CETESB propõem metas para redução de poluição no Complexo de Tubarão | Cetesb


Diagnóstico de emissão de poluentes foi contratado pelo órgão ambiental do Espirito Santo

Um dos maiores anseios da população capixaba foi parcialmente sanado com a entrega, em 22/05, pelo presidente da CETESB, Carlos Roberto dos Santos, do relatório final contendo a proposta do plano de metas para redução de emissão de poluentes no Complexo de Tubarão.

O diagnóstico, contratado pelo governo do Espírito Santo, por meio do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), em novembro de 2017, norteará um conjunto de medidas para redução das taxas de emissão de poluentes atmosféricos do complexo industrial e portuário de Tubarão.

“O diagnóstico é uma fotografia do que se encontra hoje no complexo, em termos de emissão de poluentes. As metas estabelecidas são simples e ao longo do tempo mostrarão a efetividade da sua aplicação,” explica Carlos Roberto.

A CETESB avaliou a eficiência e a eficácia das instalações das empresas e os equipamentos de controle do ar, já existentes. Técnicos da companhia paulista foram envolvidos no processo, participando diretamente das vistorias. Foram propostas, no total, 191 metas no relatório e 186 diretrizes, que focam ações efetivas para diminuição da emissão de poluentes, principalmente a fuligem, o famoso pó preto que gera tanto incômodo à população.

Para construção do relatório, a CETESB usou como base o guia Melhor Tecnologia Prática Disponível (MTPD), que engloba as fontes pontuais de emissão (chaminés) e demais fontes integrantes do processos siderúrgicos e metalúrgicos. O método leva em consideração, além do controle de emissões, a melhoria no processo produtivo.

Foram propostos prazos para adequação das emissões: curto prazo, de seis a 12 meses, médio prazo, de 12 a 24 meses, e longo prazo, de dois a cinco anos. O contrato previu, também, um treinamento dos técnicos do IEMA, pela CETESB, referente à amostragem em chaminés e controle de fontes.

As vistorias realizadas no complexo durante a confecção do relatório foram feitas por técnicos da CETESB, IEMA e peritos do Ministério Público Estadual.

Texto: Cristina Couto

Revisão: Cristina Leite

Fotos: IEMA

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.