Cuiabá dispensa fumacê e aposta na tecnologia

Fundação Ecobank doa 612 mil euros para erradicar malária em Moçambique
fevereiro 10, 2018
Mosquito precisa ser combatido mesmos sem casos de febre amarela em MS
fevereiro 12, 2018
Exibir tudo

Cuiabá dispensa fumacê e aposta na tecnologia


Ao contrário do município vizinho de Várzea Grande que utiliza o fumacê para o combate ao mosquito do Aedes aegypti, Cuiabá descarta o uso do inseticida e aposta em outras iniciativas para controlar o avanço do vetor, responsável pela transmissão de doenças como a dengue, o zika vírus e a chikungunya. Na capital, uma das principais apostas é o mapeamento aéreo georreferenciado realizado por um drone de alta tecnologia, que tem um custo operacional da ordem de R$ 900 mil.

Ontem, a Prefeitura de Cuiabá lançou o Plano Estratégico de Enfrentamento ao Aedes aegypti de 2018. Com o drone, a ideia é monitorar os focos larvários do mosquito. Após, é feita a verificação “in loco”, com conscientização dos proprietários, limpeza ou tratamento. A eficácia do drone vem do fato da ferramenta ser controlada por um técnico e filma em resolução 4K – o equivalente a quatro vezes o padrão Full HD e com georreferenciamento.

“O fumacê tem sua eficiência, mas ele traz um outro risco, outro prejuízo à população, principalmente, por afetar a saúde especialmente de idosos e crianças. Nós queremos combater o mosquito sem provocar outras doenças e estaremos usando tecnologia de ponta e com custo mais razoável, qualidade e precisão”, justificou o prefeito, Emanuel Pinheiro.

Já a gestora do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), Moema Blatt, reforça a necessidade combate ao vetor. “A dengue tem quatro tipos de vírus, ele pega quem não teve da outra vez. A gente está com um vírus circulando em Goiás (GO), que é o do tipo ‘II’, um vírus que provoca sintomas graves e complicações. Portanto, esse é mais um motivo para a gente combater o Aedes aegypti”, disse Blatt.

Ela lembra de todas as possíveis complicações decorrentes da dengue, há ainda a febre amarela. Neste caso, um plano de vigilância do órgão municipal que já apontou que o vírus da doença circula em alguns pontos de mata da cidade. “A gente não pode deixar chegar na cidade”, alertou. Na mata, a febre amarela é transmitida por um vetor do tipo silvestre. Na área urbana, o transmissor é o Aedes.

Levantamento da Secretaria Municipal de Saúde aponta que somente no primeiro mês – levantamento semana 04 – foram notificados mais de 94 casos de dengue, 108 de chikungunya e 52 de zika vírus. Dos bairros com mais notificações figuraram Pedra 90, Coophamil e Santa Isabel.

Em Várzea Grande, a prefeitura da cidade lançou no início deste mês a operação “Todos Unidos: Várzea Grande contra a Dengue”, que tem como uma das principais estratégias o uso do fumacê. Segundo a administração municipal, o fumacê terá cobertura de 100% da cidade e se dará em quatro etapas e durará em média 42 dias respeitando os tempos de ação de cada aplicação totalizando quatro.

Por lá, o argumento para o uso do inseticida é que para eliminar os insetos alados se faz necessária a aplicação espacial de inseticida, realizada pelo carro fumacê, sendo a aplicação espacial de inseticidas com UBV Pesado é indicada somente como uma medida emergencial complementar, naqueles casos onde há a confirmação de alta incidência das doenças. (JD)

O post Cuiabá dispensa fumacê e aposta na tecnologia apareceu primeiro em Pragas e Eventos.

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.