Estudo retrata pressão da mineração sobre áreas protegidas

Ministério abre vagas para educação ambiental a distância
outubro 9, 2018
Um terço do lixo da América Latina e Caribe acaba em aterros ou na natureza
outubro 10, 2018
Exibir tudo

Estudo retrata pressão da mineração sobre áreas protegidas


Área danificada pela mineração no Parque Nacional do Tumucumaque, no Amapá. Foto: Zig Koch/WWF.

 

Existem mais de 5.675 processos de mineração ativos na Agência Nacional de Mineração (ANM) — que vão de pedidos de pesquisa a autorizações de lavra — dentro de Unidades de Conservação de proteção integral e Terras Indígenas localizadas na Amazônia. O diagnóstico foi divulgado nesta terça-feira (09) pelo WWF-Brasil.

O estudo se baseou no cruzamento de dados dos títulos minerários da Agência Nacional de Mineração (ANM) com as poligonais das Terras Indígenas e das Unidade de Conservação na Amazônia Legal. O trabalhou também considerou as informações encontradas nas bases de dados da ANM, da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

O primeiro dado que chamou a atenção dos estudiosos do WWF é que somente uma parcela dos processos minerários encontra-se reconhecidamente bloqueada pela ANM, ente responsável por autorizar a atividade mineral em todo o país. A pesquisa identificou que o bloqueio alcança 24% dos títulos nas UCs de proteção integral federais, 46%, nas UCs estaduais e 76% dos títulos nas Terras Indígenas.

Existem requerimentos e até autorizações de pesquisa e concessões de lavra ainda ativos no banco de dados do órgão, além de áreas que poderão no futuro ser licitadas através do mecanismo de disponibilidade para novos interessados em realizar a atividade mineral na região amazônica.

O estudo Mineração na Amazônia Legal e Áreas Protegidas – Situação dos Direitos Minerários e Sobreposições aponta a pressão que a mineração exerce na redução, recategorização, extinção e não criação dessas áreas.

 

Na mira da exploração mineral

O estudo detectou autorizações de lavras ativas mesmo dentro de Unidades de Conservação que não permite a exploração direta de recursos naturais, como é o caso do Parque Nacional Mapinguari, localizado entre os estados do Amazonas e Rondônia. Na UC, o WWF identificou autorizações para a exploração de minério de ouro e cassiterita concedidas a três empresas: Mineração Xacriabá Ltda, Mineração da Amazônia Comércio e Indústria S.A. e Cooperativa dos Garimpeiros, Mineração e Agroflorestal. Procurado pelo WWF, o gestor do parque informou que os títulos caducaram, mas revelou a pressão sofrida pela exploração mineral na borda da UC.

O Parque Nacional do Monte Roraima, que fica na fronteira do Brasil com a Venezuela e a Guiana, é a área mais extensa em Unidades de Conservação que também está na mira da exploração mineral. Foram identificados oito pedidos em nome da Mirage Mineração Indústria e Comércio Ltda, que poderiam resultar na exploração de platina e cobre.

Seguindo o ranking das UCs sob ameaça estão os parques nacionais do Jamanxim e Serra do Pardo, no Pará, com requerimentos e processos de pesquisa autorizada para a exploração de ouro, minério de ouro e cobre e minério de platina.

Em relação às Terras Indígenas, a mais ameaçada, segundo o levantamento, é a Terra Indígena Yanomami, na fronteira com a Venezuela, com quase cem pedidos que alcançam uma área de 11 mil quilômetros quadrados, pouco mais de 10% do território homologado em 1992 e onde já foi detectada a presença de garimpo ilegal. Na sequência está a TI Raposa Serra do Sol, em Roraima.

O estudo é um alerta para a gravidade das pressões exercidas sob as áreas protegidas do país. “Num momento em que aumentam as pressões para impedir a criação e reduzir o tamanho e o status de proteção de Unidades de Conservação no país, a existência de pedidos de pesquisa e autorizações de lavra, ainda que suspensas, representam um risco potencial”, destaca o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic.

Tramita no Congresso Nacional desde 1996, o Projeto de Lei nº 1610, de autoria do senador Romero Jucá (MDB-RO), que propõe a regulamentação da atividade mineral nessas áreas.”Se aprovado, o projeto colocará em risco a floresta e os modos tradicionais de vida dos povos indígenas”, prevê Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil, coordenador do estudo.

 

Saiba Mais

Mineração na Amazônia Legal e Áreas Protegidas – Situação dos Direitos Minerários e Sobreposições

 

Leia Também

Mineração é fonte de pressão sobre terras indígenas em SP

Em 10 anos, mineração causou 9% de desmatamento na Amazônia

Veja cinco mapas que mostram como a mineração impacta o meio ambiente

 

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.