ICMBio implanta barreira na entrada da Flona do Jamanxim

CETESB ministra curso sobre áreas contaminadas | CETESB
agosto 9, 2018
Estado de São Paulo dispõe resíduos sólidos urbanos de forma adequada | CETESB
agosto 9, 2018
Exibir tudo

ICMBio implanta barreira na entrada da Flona do Jamanxim


Agentes de fiscalização restringindo o acesso à Flona . Foto: ICMBio.

Após perder uma área maior que 47 parques Ibirapueras entre abril e maio, o Instituto Chico Mendes (ICMBio), que administra a Floresta Nacional do Jamanxim, em Novo Progresso, Pará, resolveu criar uma barreira restringindo o acesso à Flona no ramal Marajoara, rota identificada como um dos principais acessos a vetores do desmatamento no interior da unidade. Em 3 meses, a área protegida teve cerca de 7.500 hectares de florestas derrubadas, segundo o Boletim de Desmatamento (SAD), do Imazon.

Com o objetivo de coibir o desmatamento na região, desde meados de julho nenhum veículo entra na Flona pelo Ramal Marajoara sem autorização da Unidade Especial Avançada (UNA/Itaituba) responsável pela gestão de 12 (doze) Unidades de Conservação da área de influência da BR-163 e da BR-230. A ordem é parar todos os veículos, identificar e fotografar seus ocupantes. O principal objetivo da ação é a prevenção, pois, segundo as autoridades, dificultar a chegada de insumos é dificultar a entrada e permanência de infratores na Flona.

“Sem insumos, principalmente combustível, estamos inviabilizando o desmate na unidade, pois para praticar este crime é necessário logística de transporte”, explica o coordenador da etapa, Brunno Kuhn Neto, analista ambiental da UNA.

Boi na Floresta nacional do jamanxim em 2015, problema antigo. Foto: Rodrigo Baleia/ Greenpeace.

Fica permitido apenas 20 litros semanais de diesel para as fazendas que ficam dentro da Flona, porém é preciso que elas estejam no CAR (Cadastramento Ambiental Rural).

Na barreira estão agentes de fiscalização do ICMBio e um alojamento com comunicação via internet com policiais ambientais. A operação conta com o apoio do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) nas áreas de geoprocessamento e comunicação com o uso de drones para monitoramento de supostos ilícitos ambientais, identificação de áreas de desmate e levantamento de alvos.

 

*Com informações da Assessoria de Comunicação do ICMBio.

 

Leia Também

Em abril, Jamanxim perdeu um Ibirapuera a cada 2,5 dias

Jamanxim e a década perdida

Governo reduz Jamanxim em 57% para resolver caos fundiário

 

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.