Japão sofrerá sanções se não parar com caça de baleias

Há forte risco de crise climática já em 2040, aponta relatório da ONU
outubro 8, 2018
Nobel de Economia vai para especialistas em clima e inovação tecnológica
outubro 9, 2018
Exibir tudo

Japão sofrerá sanções se não parar com caça de baleias


Estima-se que em 16 anos de caça ilegal, cerca de 1500 baleias-sei (Balaenoptera borealis) foram mortas por baleeiros nipônicos. Foto: Scott Heron/Flickr.

 

O Japão tem até fevereiro do ano que vem para tomar medidas contra a caça ilegal de baleias, se não o fizer, enfrentará sanções comerciais. A decisão veio Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES) em reunião realizada em Soshi, na Rússia.

O comitê averiguou que toneladas de carne de baleia-sei estão sendo contrabandeadas pelo Japão sob a falsa justificativa de fins científicos. A CITES afirma que o país viola as leis internacionais usando carne e gordura de baleia que vão parar nos pratos dos japoneses. O órgão foi firme ao afirmar que se dessa vez, o país não cumprir as determinações,  recomendará que os 182 países que fazem parte da Convenção apliquem sanções comerciais ao Japão.

Em 2014, a Corte Internacional de Justiça decidiu que a caça “científica” de baleias praticada pelo Japão no Santuário de Baleias do Oceano Austral não possuía quaisquer fins científicos e determinou que suas atividades fossem paralisadas. Mas o Japão ignorou o pedido e continuou matando milhares de baleias. Estima-se que em 16 anos de caça dita “científica”, cerca de 1500 baleias-sei (Balaenoptera borealis) foram mortas por baleeiros nipônicos.

A delegação japonesa afirma que tomará as devidas ações corretivas.

O comitê se reunirá em maio para avaliar o cumprimento ou não do Japão às determinações impostas.

 

Leia Também

Brasil perde em casa oportunidade de criar Santuário das Baleias no Atlântico Sul

Corte Internacional proíbe a caça “científica” de baleias

CITES 2016: O 7X1 das espécies ameaçadas

 

Wander Delgado
Wander Delgado
Químico, especialista em meio ambiente e gestão de resíduos, contabilidade industrial e viabilidade técnico econômica.